O Poliamor tem estado em voga na mídia.

Antes considerado errado, hoje ganha adeptos. Na verdade não é novo, é apenas uma forma de amar que vem sendo mais bem conhecida e reconhecida. E, com isso, muitas dúvidas surgem.

É sexo sem compromisso? Sexo casual? Relacionamento aberto? Pouca vergonha? Promiscuidade? Infidelidade? Há vínculos afetivos?

Leia também:

O que é Poliamor?

O Poliamor é uma forma de relacionamento na qual os envolvidos mantêm relacionamentos íntimos (afetivo-sexuais) com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, todos sabem e aceitam essa forma de relação.

É importante ter consentimento de todos os envolvidos na relação.

Assim, no poliamor todas as pessoas envolvidas estão a par da situação e se sentem confortáveis com ela.

Aceitam e vivem os sentimentos que se tornam realidade em relação a mais de uma pessoa ao mesmo tempo e que vão para além do sexo em si.

E, para os adeptos do poliamor estar apaixonado por mais de uma pessoa não tem relação com amar menos e sim amar todos.

Diferente do amor romântico (monogâmico), o poliamor não acredita na monogamia, na exclusividade. Ele valoriza a lealdade e não a fidelidade.

Sim! Os adeptos acreditam que é possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo. As regras e limites do relacionamento vão de acordo com os envolvidos na relação.

Por fim, o poliamor é um modo de vida que já está no nosso cotidiano.

É uma nova forma de conjugalidade – ser um “casal” com mais de duas pessoas.

É uma nova forma de família, vide o registro o Registro de União Afetiva Plural – ‘união estável‘, direitos e obrigações de cada um realizada num cartório, no interior de São Paulo, em 2012.

Assista ao mini documentário que mostra o dia a dia dos adeptos do Poliamor. Dê o Play 😉

Avalie esse post

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas(1 avaliações, média: 5,00 de 5)
Loading...
Show Full Content
Carolina Freitas
Carolina Freitas

Psicóloga, CRP 09/8329 (Inscrição anterior CRP 01 de 13/03/1998 a 05/12/2012). Psicopedagoga, Sexóloga, Mestre em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília, Especialista em Educação Sexual. Terapeuta Sexual pelo Centro de Sexologia de Brasília CESEX, Delegada Estadual - Goiás biênio 2018/2019 da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana SBRASH, Idealizadora e coordenadora o Programa Florescer - Gênero e Sexualidade.

Comentários

Desejo Sexual

Disfunção Erétil

Dor na relação Sexual

Ejaculação Precoce

Libere Seu Poder

Orgasmo Feminino

Temas Gerais

Close

PRÓXIMO POST

Fechar

Tudo o que você precisa saber sobre o clitóris

Close