Você alguma vez já pensou em usar a pílula do dia seguinte mas ficou com medo? Ou já soube de alguém que fez uso?

Vou deixar aqui algumas informações que podem ajudar você a entender melhor como funciona e como usá-la corretamente.

Leia também:

O que é Pílula do dia seguinte?

É um método de emergência, que pode ser usado após o ato sexual desprotegido para EVITAR UMA POSSÍVEL GESTAÇÃO.

A pílula do dia seguinte é um método de emergência, e não é um método anticoncepcional que você pode usar frequentemente.

Ela não protegerá você para as relações sexuais que forem ocorrer após o uso da própria pílula do dia seguinte, somente servirá para a relação ou para as relações que ocorreram minutos ou horas antes de tomar a pílula.

Portanto, depois de ter tomado a pílula, para ficar protegida para as relações sexuais que virão, você deve usar outros métodos de proteção até a próxima menstruação.

Da mesma forma, a pílula do dia seguinte não oferece proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis.

Pílula do dia seguinte

Como ela atua no seu organismo?

A pílula do dia seguinte age inibindo ou retardando a sua ovulação, aumenta a viscosidade do muco cervical, dificultando assim a chegada do espermatozoide ao óvulo e ainda impede a implantação do óvulo fecundado, fazendo com que a gravidez não ocorra.

Qual a forma correta de usar?

Quanto mais precoce o uso (nas primeiras 24h de preferência), melhor é o resultado. E se você tomá-la após 72hs da relação sexual desprotegida a eficácia diminui bastante.

Você pode tomar em dose única (vendida como Levonorgestrel 1,5 mg caixa com 1 comprimido) ou em 2 tomadas, com intervalo de 12 horas entre cada uma das pílulas (Levonorgestrel 0,75 mg caixa com 2 comprimidos).

A eficácia é semelhante nas duas versões.

Caso você só encontre a segunda opção, por haver risco de esquecimento da segunda dose, recomendo a tomada das duas pílulas de uma vez só.

O parceiro não deve fazer uso da pílula, somente você!

Olá! Eu sou o Dr. Bot, um assistente virtual e estou aqui para ajudar a esclarecer suas principais dúvidas!

De maneira anônima, converse com nosso robô que já ajudou milhares de pessoas a melhorar o sexo.

Qual das opções quer saber mais?

Para quais casos ela é indicada?

Ela está indicada para os casos de relação sexual desprotegida ou nos casos de uso irregular do método anticoncepcional como:

  • Ruptura ou saída antecipada dos preservativos feminino ou masculino.
  • Ruptura ou remoção do diafragma
  • Falha na interrupção do coito antes da ejaculação
  • Relação desprotegida (sem preservativo) sem que haja qualquer outro método anticoncepcional adicional. Ou nos casos em que houve uso incorreto de pílula anticoncepcional rotineira (esquecimento de duas ou mais pílulas na mesma cartela), ou ainda a expulsão ou retirada de DIU ou implante subcutâneo.
  • Nos casos de violência sexual

Ela faz mal? Quais os efeitos colaterais?

A pílula do dia seguinte é um medicamento seguro desde que você a tome corretamente.

Não há relatos de efeitos colaterais graves, porém devido à alta dose de hormônio presente nela, alguns sintomas são previstos e comuns após a tomada, como:

  • náuseas,
  • tonturas,
  • vômitos,
  • diarreia,
  • sangramentos irregulares,
  • diminuição ou aumento do fluxo menstrual e
  • sensibilidade mamária.

Contraindicações da pílula do dia seguinte

Existem contraindicações?

Como a pílula do dia seguinte tem hormônio, as contraindicações são as mesmas do uso de métodos anticoncepcionais hormonais, como por exemplo: se você tiver histórico ou risco conhecido de trombose.

Ela funciona no período fértil?

Sim, pois inibe ou retarda a ovulação. Porém se você tomar a pílula após o ovulo já ter sido implantado no útero, ela não terá efeito algum sobre a evolução da gestação.

Se você estiver tomando anticoncepcional, faz mal tomar a Pílula do dia seguinte?

Se você estiver tomando o seu anticoncepcional corretamente, não há necessidade de tomar a pílula do dia seguinte.

A pílula do dia seguinte pode ser utilizada no caso do uso irregular do anticoncepcional, mas não se esqueça que a quantidade de hormônio ingerida nesta pílula é muito grande, e equivale a meia cartela da que você normalmente usa.

Sendo assim, você deve sempre evitar o uso indiscriminado.

Portanto, se você observar que a necessidade do uso da pílula de emergência está muito frequente, você deve procurar um médico ginecologista para rever o método anticoncepcional que está usando.

Ela não é abortiva

Ela é abortiva?

Não precisa ficar com medo, a pílula do dia seguinte NÃO É ABORTIVA, já que sua ação acontece antes do ovo ser implantado no útero.

A pílula interfere na ovulação, fecundação ou na implantação do ovo fecundado.

Então, se o seu ovo já estiver fecundado, e implantado no útero, esta pílula não impede o desenvolvimento da gravidez.

Por isto a necessidade de ser tomada o quanto antes, após a relação sexual.

Influência da pílula do dia seguinte na menstruação

  • Sangramentos irregulares com diminuição ou aumento do fluxo menstrual são frequentes.
  • Atrasos menstruais de 1 a 2 dias da data prevista também são esperados.

Agora, se a sua menstruação atrasar por mais de 07 dias, indico que você procure fazer exames para avaliar a possibilidade de ocorrência de gestação.

Leia também:

Medicamentos que podem cortar ou diminuir o efeito da Pílula do dia seguinte

Alguns remédios como:

  • antibióticos (ampicilina, amoxicilina, penicilina, rifampicina e doxaciclina), antifúngicos (griseofulvina),
  • antirretrovirais (usados para tratamento de AIDS como ritonavir, nelfinavir) e
  • barbitúricos (utilizados em casos de epilepsia, enxaquecas e também como sedativos e anestésicos, como fenobarbital, topiramato, carbamazepina, fenitoína e hidantoína),

podem cortar ou diminuir o efeito da pílula, pois diminuem a concentração hormonal presente nela, aumentando o risco de gravidez.

Medicamentos que cortam o efeito

É possível usar durante a gravidez ou amamentação?

Se você estiver gravida a pílula do dia seguinte não deve ser utilizada.

Da mesma forma se você estiver amamentando (até seis semanas após o parto), pois o hormônio presente no medicamento pode passar para o leite materno.

Se mesmo assim você precisar toma-la, vai precisar suspender a amamentação temporariamente.

Com que frequência você pode toma-la?

A pílula é uma medicação de emergência e, portanto, você não deve utilizá-la como rotina.

Esse medicamento tem elevadas taxas hormonais e o seu uso repetido ainda não tem total segurança, e pode aumentar o risco para algumas doenças como câncer de mama, trombose e embolia pulmonar.

Além disso, se você utilizar mais de uma vez por mês pode diminuir sua eficácia, aumentando a incidência de gestação.

Onde encontrar

Você pode comprá-la em qualquer farmácia, e desde 2005 ela é fornecida pelos postos de saúde da rede pública.

Não é necessária receita médica, mesmo sendo menor de idade e não necessita estar acompanhada de um responsável.

As marcas mais comumente vendidas no Brasil são: Postinor-2®, Pozato®, Diad®, Minipil2-Post® e Poslov®.

Espero que este texto seja útil pra você!!! Mas se você ainda ficou com alguma dúvida ou queira saber mais, estarei aqui para lhe ajudar.

Um grande abraço.

Avalie esse post

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas(11 avaliações, média: 5,00 de 5)
Loading...
Show Full Content
Giorgia Pasquali
Giorgia Pasquali

Medica ginecologista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Residência Medica em Ginecologia e Obstetrícia pela Maternidade Carmela Dutra- Florianópolis SC, Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela FEBRASGO, curso de colposcopia pela CETRUS- SP. CRM/SC 10410.

Comentários

Desejo Sexual

Disfunção Erétil

Dor na relação Sexual

Ejaculação Precoce

Libere Seu Poder

Orgasmo Feminino

Temas Gerais

Close

PRÓXIMO POST

Fechar

23 Fatos curiosos sobre Sexo

26 de agosto de 2016
Close