É possível viver sem sexo? Conheça e entenda a Assexualidade

O que é Assexualidade?

De forma simples, assexualidade é a falta de atração sexual.

Pessoas assexuais não têm interesse por sexo. Esta falta de atração sexual pode ser total, parcial, condicional ou circunstancial.

Como o sexo é socialmente apresentado como algo fundamental, para muitas pessoas a assexualidade é incompreendida e compreender-se assexual pode ser um processo difícil.

Como assim uma pessoal não sente atração sexual alguma? Como assim a pessoa prefere comer bolo de chocolate a fazer sexo? É uma fase? É doença?

Existem mesmo pessoas que não se relacionam sexualmente? Se masturbam? Quem são essas pessoas? São celibatárias? Sofreram alguma violência sexual?

Vamos então entender sobre essa possibilidade de viver a sexualidade.

Convido você a pensar num espectro amplo com diversos níveis de ausência de atração sexual e também romântica.

Leia também:

A diferença entre atração sexual e atração romântica

Atração sexual é o interesse em ter contato sexual com outra pessoa.

Atração romântica é o interesse em ter um relacionamento amoroso, trocas de afetos.

A Comunidade virtual AVEN (Assexuality Visibility and Education Network) criou algumas classificações de forma a facilitar a compreensão da fluidez da Assexualidade.

Classificações da atração sexual

  • Assexual Romântico: pessoa que tem interesse em se relacionar romanticamente com outra pessoa. Não há atração sexual ou prática sexual. Pode ter um relacionamento e se envolver emocionalmente.
  • Heterorromântico: quando há interesse romântico por pessoas do sexo oposto;
  • Homorromântico: quando o interesse romântico é voltado para pessoas do mesmo sexo;
  • Birromântico: quando há interesse por pessoas de ambos os sexos;
  • Panromântico: quando há interesse romântico pela pessoa, independe da concepção binária de gêneros.
  • Arromânticos ou Não Românticos: A pessoa arromântica ou não romântica não tem interesse nem vontade de ter um relacionamento amoroso. E se sente bem com isso.

A Bandeira Assexual

Bandeira Assexual

A bandeira traz as cores que representam a diversidade dentro da comunidade. Seu significado é representado em 4 cores.

As cores da bandeira assexual

  • Preto: assexuais restritos, que não sentem nenhuma atração sexual;
  • Cinza: assexuais que praticam algum tipo de relação sexual (Demissexuais, Grey-A…);
  • Branco: parceiros(as), simpatizantes e aliados(as) que não são assexuais (Alossexuais);
  • Roxo: comunidade assexual em geral.

Entenda alguns conceitos

Alossexuais: são as pessoas que não são assexuais. Têm atração sexual constante.

Demissexuais: pessoas que possuem atração sexual apenas após envolvimento afetivo com determinada parceria. (Assexuais com atração sexual condicionada).

Gray-A: “assexuais na zona cinza” – pessoas assexuais que têm raros momentos de atração sexual.

5 dúvidas e mitos sobre a assexualidade

Assexuais transam?

Podem ter relação sexual ou não. Vai depender do relacionamento e da pessoa.

Tem alguns assexuais que sentem atração sexual em algumas situações (Assexuais fluidos) e outros que sentem atração sexual a depender do vínculo (Demissexuais).

Assexuais se masturbam?

O comportamento de masturbação depende de cada pessoa e não de ser ou não assexual.

Assexualidade é celibato?

Não, o celibato é uma escolha.

A pessoa tem desejo sexual e atração sexual, mas por alguma razão opta por não ter uma vida sexual ativa, escolhe a abstinência sexual.

Assexualidade é trauma de violência sexual?

Não é trauma. A pessoa simplesmente não tem atração sexual.

Não existe aversão ao sexo, como em alguns  casos de violências. Apenas não há necessidade, não há interesse na atividade sexual.

Assexuais são pessoas infelizes?

Também não, apenas não têm atração sexual. Mas, se apaixonam, vivem, se divertem, trabalham, estudam.

Entenda, pode haver a expectativa de relacionamento, não de sexo.

Diferença entre assexualidade e transtorno do desejo sexual

Não podemos falar em transtorno do desejo sexual  pois a pessoa assexual tem desejo e excitação e pode ter orgasmo.

Logo, não há dificuldades no ciclo da resposta sexual humana. A principal característica da Assexualidade é a falta de atração sexual pelo outro.

Assexualidade não é doença e nem disfunção sexual. Não existe sofrimento. O sofrimento é a não aceitação social, bem como da homossexualidade e da bissexualidade.

Visibilidade Assexual

O dia 6 de abril é considerado o Dia Internacional da Assexualidade (DIA). É uma data para dar visibilidade à população assexual e propagar informações e representatividade.

Com conhecimento e respeito podemos ajudar a dar visibilidade à assexualidade e tornar o mundo mais fácil para as pessoas assexuais. Ter sua identidade respeitada é promoção de saúde mental e sexual.

Lembre-se, respeito à diversidade sexual sempre! Pense nisso!

O que é Assexuado?

Na definição do dicionário assexuado é o que não tem sexo ou órgãos sexuais, que se reproduz sem união de células diferenciadas de dois sexos.

Não é um termo a ser utilizado para pessoas. É pejorativo. PESSOAS SÃO ASSEXUAIS. E, ser assexual está relacionado à identidade, orientação afetivo sexual e subjetividades…

Como saber se você é assexual?

O autoconhecimento é a chave para a compreensão da sua sexualidade.

É sempre bom lembrar que a orientação sexual é autorreferida, ou seja, a pessoa quem se diz e não algo dito pelo outro ou um diagnóstico.

Vou deixar aqui quatro perguntas para você começar a refletir sobre suas experiências sexuais. E, se você tiver dúvidas sobre sua orientação sexual a terapia sexual pode te ajudar.

Pergunte a si mesmo(a)

  1. Eu sinto atração sexual?
  2. Eu me sinto pressionado(a) a ter envolvimento sexual ou romântico?
  3. Eu já tentei me adequar socialmente me forçando a ter vivências sexuais ou românticas que não queria?
  4. Eu vivo bem ser sexo?

Para saber mais: Acesse o Livreto Coletivo Abrace Visibilidade Assexual.

E assista ao Vídeo: 10 perguntas que você sempre quis fazer a um assexual.

Assista também a série: “Sex education” temporada 2 episódio 4.

Fontes:

  • AVEN – https://www.asexuality.org/
  • Comunidade assexual – https://www.assexualidade.com.br/
  • Brotto LA, Yule M. Asexuality: Sexual Orientation, Paraphilia, Sexual Dysfunction, or None of the Above? Arch Sex Behav. 2017 Apr;46(3):619-627. doi: 10.1007/s10508-016-0802-7. Epub 2016 Aug 19. PMID: 27542079.
  • Mastelaro Neto, W; Lopes Júnior, A; Hercowitz, A. Pessoas assexuais. In: Ciasca, S.V.; Hercowiitz, A,.; Lopes Júniro, A. Saúde LGBTQIA+ Práticas de cuidado transdisciplinar. São Paulo: Manole, 2021, p. 265-269.
Carolina Freitas

Carolina Freitas é psicóloga, Mestre em Psicologia, Psicopedagoga, Sexóloga, Especialista em Educação Sexual e Terapeuta Sexual com mais de 20 anos de experiência.


Posts Relacionados: