Ficar brincando de colocar a cabeça do pênis engravida?

O que é necessário para que haja fecundação?

Para uma gravidez, ou seja, uma fecundação, é preciso coincidir alguns fatores, como dia fértil, contato do esperma com o óvulo, e algumas outras questões.

Não precisa ficar tão preocupado porque mesmo estando em período fértil algumas pessoas não conseguem engravidar. É importante avaliar o que ocorreu.

Vale considerar: Se ficar “brincando” de colocar a glande dentro da vagina da sua companheira, isso aumenta o risco de gravidez, caso ela esteja no período fértil.

Leia também:

O que é o período fértil?

Considera-se período fértil o momento do mês que a mulher está ovulando.

A mulher ovula (quando um óvulo é liberado de seus ovários) no 14º dia do ciclo, contando-se a partir do primeiro dia da menstruação, mas por segurança é considerado período fértil dois dias antes e dois dias depois desta data.

Este método é como referência, mas não é considerado método seguro visto que as mulheres podem ter alteração do período de fertilidade por questões físicas ou emocionais e as datas e os dias de contagem ficam comprometidos.

Brincar na entrada tem risco?

Brincar na entrada, tendo ejaculado dentro ou não, e até tendo ejaculado antes do sexo, pode mesmo assim engravidar.

A pesar de não haver espermatozóides no líquido pré-ejaculatório, aquele líquido que sai da uretra quando o homem está excitado, o consenso médico é que qualquer fluido que sai do pênis antes da ejaculação pode estar contaminado com esperma e, portanto, deve ser potencialmente fértil e capaz de resultar em uma gravidez indesejada.

Leia também: Ejaculação Precoce: Causas e tratamentos

Como se prevenir?

Para se prevenir de uma gravidez é necessário o uso do preservativo (camisinha) ou outros métodos, por exemplo, a pílula anticoncepcional e outros.

Para tirar toda e qualquer dúvida, indico que em alguns dias façam um teste de laboratório para saber se houve ou não a fecundação.

Fontes:

Marlon Mattedi

Marlon Mattedi é psicólogo especialista em sexualidade humana e possui 20 anos de experiência clínica. Marlon é pós-graduado em Terapia Sexual, Especialista em Sexualidade, Especialista em Orientação, Terapia Sexual e de Casal. CRP 12/03841.


Posts Relacionados: