A vida sexual após a maternidade

A rotina mudou. O casal virou família. O corpo da mulher é outro. Mudança de prioridades. Mudança de valores. Pagando muito a língua. Ansiedade, insegurança, cansaço físico e mental.

Com tudo isso é possível ter vida sexual após a maternidade?

Sim! É possível. A retomada da vida sexual é necessária e saudável.

Índice do Artigo

1 – A reinvenção do casal durante a maternidade
2 – As mudanças durante a gravidez
3 – Mudanças que acontecem após o parto
4 – Em quanto tempo a barriga volta ao normal?
5 – A sexualidade da mulher no pós parto
6 – É normal ter desejo sexual amamentando?
7 – É normal não ter desejo sexual na amamentação?
8 – E o resguardo? Quando deve ser o reinício?
9 – 3 fatores que interferem na retomada da vida sexual
10 – Como o companheiro pode ajudar

Ok, virar mãe é dar de cara com a realidade! E, tomar posse do papel materno é uma nova maneira de ser e estar no mundo, com novas prioridades e novos valores.

E por que não nova vida sexual?

Lembre-se, ter um(a) filho(a) é a concretização de um projeto de vida do casal.

Então, é importante este casal se reinventar, já que a chegada de uma criança provoca profundas mudanças no núcleo familiar e modifica também o casal.

Se o equilíbrio é modificado ele deve então ser refeito. Por que mesmo vocês estão juntos?

Sim, é um momento diferente para você e para o seu marido. Então vamos entender o que acontece para que vocês consigam:

  • Conciliar os papéis de pai e mãe, amantes, marido e mulher, profissionais
  • Entender a oscilação do desejo sexual
  • Saber como se reaproximar emocionalmente e sexualmente

Já te adianto que as mulheres que lidam melhor com a própria sexualidade antes de virarem mães vão vivenciar de forma mais positiva as mudanças com a maternidade.

E, sim, muitas mulheres têm desejo sexual e vida sexual na gravidez, no pós-parto e na amamentação.

Vamos então verificar as mudanças que podem ocorrer em cada ciclo desta mulher que virou mãe.

Leia também:

As mudanças durante a gravidez

As modificações emocionais e físicas começam na gravidez, não só na mulher, mas no casal grávido. Na mulher com muito mais intensidade, claro.

Começam aqui as incertezas e as angústias junto das alegrias e expectativas.

Porém, a gravidez altera o padrão de relacionamento sexual. Tem algumas mulheres que se sentem desejáveis e outras que não se sentem desejáveis.

Veja que não existe uma regra, uma única forma de ser gestante. Cada mulher lidará com a sua realidade e as suas fantasias.

E há ainda casais que têm restrições médicas. Estes realmente terão de esperar a gravidez passar. Porém, não precisam mudar a intimidade sexual.

Ou seja, não podem ter sexo, ter penetração, mas podem ter toque, carinho, companheirismo, beijos, abraços…

Como a gravidez afeta a sexualidade do casal?

Na frequência sexual, nos desejos sexuais e nos orgasmos. Muitas pessoas acreditam que podem apenas diminuir, mas não, podem também aumentar.

Contrário ao que se pensa, muitas vezes a ausência de sexo na gestação ocorre pela não disponibilidade do homem.

Alguns homens se afastam sexualmente da mulher grávida devido às dificuldades em lidar com a mulher/mãe.

Alguns acreditam ser desrespeito à criança e à mãe e tem ainda o medo de machucar o bebê.

Saiba que o pênis não alcança o bebê. E o prazer sentido pela mulher passa também a sensação de bem-estar para o bebê.

Entenda, o bebê não sente prazer sexual, sente o relaxamento sentido pela mãe.

Alterações na gravidez

Na mulher, o desejo pode sim aumentar. O medo de engravidar, que ronda a cabeça das mulheres na entrega sexual não é agora um problema.

E com o corpo tomando novas formas, sentem-se mais desejáveis.

Então muitas se entregam ao prazer. Há ainda a sensibilidade na região genital, que pode proporcionar orgasmos mais intensos.

Posições mais agradáveis para a mulher grávida

Posições para a mulher grávida
Ilustrações do mdemulher.com.br

As mudanças após o parto

O parto vai desencadear as mudanças subjetivas e interpessoais. Vai transformar a filha em mãe.

Vai modificar a imagem corporal desta nova mulher. Vai ainda re-significar a sexualidade e a maternidade.

Partos bem vividos, sejam eles normais ou cesárias, ajudam a mulher nesta passagem, no reconhecimento do novo corpo e da nova história de vida.

E quanto tempo depois do parto minha barriga volta ao normal?

As alterações corporais vividas no pós-parto interferem na sexualidade. É para além do emagrecer. É o estranhamento do novo corpo.

O corpo demora a voltar e saiba, ele não será o mesmo de antes. Agora o seu corpo tem uma nova história de vida para contar. E, pode sim ter marcas.

A insatisfação com o corpo novo, com as modificações interfere na relação com o marido, na entrega sexual.

O ter de esconder o corpo e ser no escuro, relatado por inúmeras mulheres no consultório, dificulta a entrega, o envolvimento e com isso o prazer sexual.

As cirurgias plásticas e os tratamentos dermatológicos são super bem-vindos. Mas, se você não mudar sua forma de viver sua nova história, o corpo novo, modelado e sem manchas também não terá a função sexual de prazer.

E como fica a sexualidade da mulher no pós-parto?

As alterações emocionais também interferem na sexualidade da mulher. É preciso retomar a autoconfiança. É preciso (re)conhecer o novo corpo e os novos prazeres.

Algumas mulheres apresentam dificuldades em lidar com o novo corpo e em seduzir e permitir ser seduzida.

Enquanto outras elevam sua autoestima e poder de sedução, justamente por ter um corpo apto a procriar e alimentar uma criança. As mamas grandes e cheias se tornam armas de sedução.

Você, mulher, que tem dificuldades, já parou para pensar nisto? Ter um novo olhar sobre o seu momento atual?

Se você tiver dificuldade em retomar a vida sexual normalmente, fale com um especialista, que irá lhe ajudar.

Leia também: 6 técnicas para seduzir um homem

É normal ter desejo sexual amamentando?

Sensações sexuais acontecem na amamentação. O sugar do bebê pode sim trazer sensações eróticas.

Peito é zona erógena, ou seja, capaz de gerar prazer sexual. Mas entenda, o prazer é pelo estímulo e não desejo sexual pelo bebê.

Muitas mulheres sofrem com estes conflitos.

O que você pode fazer?

Aproveitar o estímulo causado pela amamentação, que te trouxe desejo sexual e desfrutar o momento com seu marido.

Afinal, além de mãe você também é mulher.

E é normal não ter desejo sexual na amamentação?

Nas mulheres que estão amamentando acontece a queda do estrogênio (responsável pelo desejo sexual) e aumento da prolactina (inibe o desejo e interfere na lubrificação vaginal).

Logo, ambos são hormônios que causam interferência na vida sexual: sem desejo e sem lubrificação.

Então a culpa é dos hormônios?

Sim e não! A interferência hormonal acontece, mas não determina. Com a ajuda de lubrificantes e com a estimulação correta, sua vida sexual pode sim ser prazerosa nesta fase da vida. Desde que vocês queiram.

E o resguardo? Quando deve ser o reinício?

O retorno à atividade sexual depende de alguns fatores como o tipo de parto e cicatrização. Siga as orientações médicas.

E os 40 dias, a quarentena, não é regra? Tendo a liberação médica, pode retomar a qualquer tempo, desde que se sintam à vontade. Vai depender de cada casal, não existe uma regra.

Para o retorno à vida sexual é importante ter em mente: Por que estamos juntos? Qual o significado do sexo agora? Como vai ser voltar a fazer sexo?

Logo, re-significar o sexo e o vínculo do casal. Para tanto é preciso diálogo! A comunicação é fundamental.

Lembre-se do planejamento familiar. Como um dos medos é engravidar novamente decidam como será também o retorno à anticoncepção. Qual método irão usar agora?

Atenção! A camisinha só vale se vocês forem usar em todas as relações. O ciclo ainda está irregular.

Leia também:

3 fatores que interferem na retomada da vida sexual da mulher após a maternidade

Vida sexual após a maternidade

1) A dor e o medo de ter dor

Muitas mulheres têm o medo de ser novamente penetrada. E, se não recebe estímulos suficientes dói mesmo.

Preste atenção aos sinais do seu corpo e conte ao seu marido pelo que está passando. Vocês podem ter bons momentos juntos sem a penetração.

Lembre-se sexo não se resume à penetração!

Importante: Algumas passam por dores decorrentes do parto. Sejam os pontos da cesária ou a episiotomia, por exemplo.

Saiba que a episiotomia é um pequeno corte feito no períneo, região muscular entre o ânus e a entrada da vagina. Se você teve de fazê-lo terá sim de tomar cuidado no retorno à vida sexual.

Espere cicatrizar, pois antes de cicatrizar além da diminuição da lubrificação vaginal, dificulta os movimentos da musculatura vaginal.

Leia também:

2) O medo de engravidar novamente é outro fator

Muitas mulheres temem passar pelo parto e puerpério novamente. E algumas ainda relatam não querer passar pela rejeição do marido e ao marido tão cedo.

Um bom planejamento familiar pode ajudar na redução deste medo.

3) Medo do bebê acordar

A rotina da casa mudou. O ambiente que antes era do casal apenas (no caso do primeiro filho) ou um ambiente que já estava equilibrado com o número de pessoas da família mudou.

No primeiro momento é sim necessária dedicação e atenção ao bebê. Por isso algumas mulheres não se envolvem sexualmente com seus maridos.

Elas precisam aprender a equilibrar o papel de mãe com o papel de esposa e amante. Neste caso é fundamental a parceria com o marido.

Meu marido não entende

Uma das principais queixas das mulheres é sim o marido. A de que ele não entende ou não ajuda.

Vamos a alguns pontos:

1) Marido não tem de ajudar, ele tem de participar, pois é o pai

E qual seria a participação neste primeiro momento, já que ele não pariu e nem amamenta? Facilitar a vida desta mulher puérpera.

Video: Pai que Ajuda (qual o papel do pai hoje?)

2) O marido não precisa mais de sexo que você porque ele é homem

Isto é um mito. Homens e mulheres precisam e gostam de sexo de acordo com a educação sexual que receberam e o desejo que mantém.

Não é biológico. Não é questão de gênero. Respeito e comunicação são fundamentais em qualquer relação.

3) Marido, você quer sexo? Ou mais sexo? Reconquiste a sua mulher

Ela foi lá no limbo para poder realizar um projeto de vocês, formar uma família, então ajude ela a retomar o papel de mulher, de retomar a vida sexual.

Como?

Seja atencioso e agradável fora da cama, pergunte o que ela precisa naquele dia (sim, cada dia é um dia após a maternidade) e a seduza.

Ter pressa e não a estimular de forma adequada tornará mais difícil o retorno sexual de vocês.

Leia também:

Uma sugestão para vocês se reaproximarem

Se você perdeu a intimidade e não sabe como se reaproximar do seu marido ou da sua esposa, aproveite as datas comemorativas.

Sim, uma boa desculpa para um recomeço.

Além das datas do casal, como aniversário e casamento, vocês podem aproveitar ainda o Dia do Beijo (13 de abril), do Sexo (6 de setembro), do Orgasmo (31 de julho), por exemplo.

Marque um encontro, como no namoro. Arrume-se! Perfume-se! Seduza!

Fontes:

Carolina Freitas

Carolina Freitas é psicóloga, Mestre em Psicologia, Psicopedagoga, Sexóloga, Especialista em Educação Sexual e Terapeuta Sexual com mais de 20 anos de experiência.


Posts Relacionados: