A rotina mudou. O casal virou família. O corpo da mulher é outro. Mudança de prioridades. Mudança de valores. Pagando muito a língua. Ansiedade, insegurança, cansaço físico e mental.

Com tudo isso é possível ter vida sexual após a maternidade?

Sim! É possível. A retomada da vida sexual é necessária e saudável.

Sexo pós parto

Ok, virar mãe é dar de cara com a realidade! E, tomar posse do papel materno é uma nova maneira de ser e estar no mundo, com novas prioridades e novos valores.

E por que não nova vida sexual?

Lembre-se, ter um(a) filho(a) é a concretização de um projeto de vida do casal.

Então, é importante este casal se reinventar, já que a chegada de uma criança provoca profundas mudanças no núcleo familiar e modifica também o casal.

Se o equilíbrio é modificado ele deve então ser refeito. Por que mesmo vocês estão juntos?

Sim, é um momento diferente para você e para o seu marido. Então vamos entender o que acontece para que vocês consigam:

  • conciliar os papéis de pai e mãe, amantes, marido e mulher, profissionais…;
  • entender a oscilação do desejo sexual e
  • saber como se reaproximar emocionalmente e sexualmente.

Já te adianto que as mulheres que lidam melhor com a própria sexualidade antes de virarem mães vão vivenciar de forma mais positiva as mudanças com a maternidade.

E, sim, muitas mulheres têm desejo sexual e vida sexual na gravidez, no pós-parto e na amamentação.

Vamos então verificar as mudanças que podem ocorrer em cada ciclo desta mulher que virou mãe.

Leia também:

O que acontece na Gravidez

As modificações emocionais e físicas começam na gravidez, não só na mulher, mas no casal grávido. Na mulher com muito mais intensidade, claro.

Começam aqui as incertezas e as angústias junto das alegrias e expectativas.

Porém, a gravidez altera o padrão de relacionamento sexual. Tem algumas mulheres que se sentem desejáveis e outras que não se sentem desejáveis.

Veja que não existe uma regra, uma única forma de ser gestante. Cada mulher lidará com a sua realidade e as suas fantasias.

E há ainda casais que têm restrições médicas. Estes realmente terão de esperar a gravidez passar. Porém, não precisam mudar a intimidade sexual.

Ou seja, não podem ter sexo, ter penetração, mas podem ter toque, carinho, companheirismo, beijos, abraços…

Então, em que muda o casal sexualmente? Na frequência sexual, nos desejos sexuais e nos orgasmos. Muitas pessoas acreditam que podem apenas diminuir, mas não, podem também aumentar.

Olá! Eu sou o Dr. Bot, um assistente virtual e estou aqui para ajudar a esclarecer suas principais dúvidas!

De maneira anônima, converse com nosso robô que já ajudou milhares de pessoas a melhorar o sexo.

Qual das opções quer saber mais?

Contrário ao que se pensa, muitas vezes a ausência de sexo na gestação ocorre pela não disponibilidade do homem.

Alguns homens se afastam sexualmente da mulher grávida devido às dificuldades em lidar com a mulher/mãe.

Alguns acreditam ser desrespeito à criança e à mãe e tem ainda o medo de machucar o bebê.

Saiba que o pênis não alcança o bebê. E o prazer sentido pela mulher passa também a sensação de bem-estar para o bebê.

Entenda, o bebê não sente prazer sexual, sente o relaxamento sentido pela mãe.

Alterações na gravidez

Na mulher, o desejo pode sim aumentar. O medo de engravidar, que ronda a cabeça das mulheres na entrega sexual não é agora um problema.

E com o corpo tomando novas formas, sentem-se mais desejáveis.

Então muitas se entregam ao prazer. Há ainda a sensibilidade na região genital, que pode proporcionar orgasmos mais intensos.

posições mais agradáveis para a mulher grávida, veja:

Posições para a mulher grávida
Ilustrações do mdemulher.com.br

O Parto

O parto vai desencadear as mudanças subjetivas e interpessoais. Vai transformar a filha em mãe.

Vai modificar a imagem corporal desta nova mulher. Vai ainda re-significar a sexualidade e a maternidade.

Partos bem vividos, sejam eles normais ou cesárias, ajudam a mulher nesta passagem, no reconhecimento do novo corpo e da nova história de vida.

E quanto tempo depois do parto minha barriga volta ao normal?

As alterações corporais vividas no pós-parto interferem na sexualidade. É para além do emagrecer. É o estranhamento do novo corpo.

O corpo demora a voltar e saiba, ele não será o mesmo de antes. Agora o seu corpo tem uma nova história de vida para contar. E, pode sim ter marcas.

A insatisfação com o corpo novo, com as modificações interfere na relação com o marido, na entrega sexual.

O ter de esconder o corpo e ser no escuro, relatado por inúmeras mulheres no consultório, dificulta a entrega, o envolvimento e com isso o prazer sexual.

As cirurgias plásticas e os tratamentos dermatológicos são super bem-vindos. Mas, se você não mudar sua forma de viver sua nova história, o corpo novo, modelado e sem manchas também não terá a função sexual de prazer.

Leia também: Principais benefícios da Terapia Sexual

E como fica a sexualidade da mulher no pós-parto?

As alterações emocionais também interferem na sexualidade da mulher. É preciso retomar a autoconfiança. É preciso (re)conhecer o novo corpo e os novos prazeres.

Algumas mulheres apresentam dificuldades em lidar com o novo corpo e em seduzir e permitir ser seduzida.

Enquanto outras elevam sua autoestima e poder de sedução, justamente por ter um corpo apto a procriar e alimentar uma criança. As mamas grandes e cheias se tornam armas de sedução.

Você, mulher, que tem dificuldades, já parou para pensar nisto? Ter um novo olhar sobre o seu momento atual?

Se você tiver dificuldade em retomar a vida sexual normalmente, fale com um especialista, que irá lhe ajudar.

Leia também: 6 técnicas para seduzir um homem

É normal ter desejo sexual amamentando?

Sensações sexuais acontecem na amamentação. O sugar do bebê pode sim trazer sensações eróticas.

Peito é zona erógena, ou seja, capaz de gerar prazer sexual. Mas entenda, o prazer é pelo estímulo e não desejo sexual pelo bebê.

Muitas mulheres sofrem com estes conflitos.

O que você pode fazer?

Aproveitar o estímulo causado pela amamentação, que te trouxe desejo sexual e desfrutar o momento com seu marido.

Afinal, além de mãe você também é mulher.

E é normal não ter desejo sexual na amamentação?

Nas mulheres que estão amamentando acontece a queda do estrogênio (responsável pelo desejo sexual) e aumento da prolactina (inibe o desejo e interfere na lubrificação vaginal).

Logo, ambos são hormônios que causam interferência na vida sexual: sem desejo e sem lubrificação.

Então a culpa é dos hormônios? Sim e não! A interferência hormonal acontece, mas não determina. Com a ajuda de lubrificantes e com a estimulação correta, sua vida sexual pode sim ser prazerosa nesta fase da vida. Desde que vocês queiram.

Leia também:

Tabus da Sexualidade: Amamentação

E o resguardo? Quando deve ser o reinício?

O retorno à atividade sexual depende de alguns fatores como o tipo de parto e cicatrização. Siga as orientações médicas.

E os 40 dias, a quarentena, não é regra? Tendo a liberação médica, pode retomar a qualquer tempo, desde que se sintam à vontade. Vai depender de cada casal, não existe uma regra.

Para o retorno à vida sexual é importante ter em mente: Por que estamos juntos? Qual o significado do sexo agora? Como vai ser voltar a fazer sexo?

Logo, re-significar o sexo e o vínculo do casal. Para tanto é preciso diálogo! A comunicação é fundamental.

Lembre-se do planejamento familiar. Como um dos medos é engravidar novamente decidam como será também o retorno à anticoncepção. Qual método irão usar agora?

Atenção! A camisinha só vale se vocês forem usar em todas as relações. O ciclo ainda está irregular.

Leia também:

3 Fatores que interferem na retomada da vida sexual da mulher após a maternidade

Vida sexual após a maternidade

1. A dor e o medo de ter dor

Muitas mulheres têm o medo de ser novamente penetrada. E, se não recebe estímulos suficientes dói mesmo.

Preste atenção aos sinais do seu corpo e conte ao seu marido pelo que está passando. Vocês podem ter bons momentos juntos sem a penetração.

Lembre-se sexo não se resume à penetração!

Importante: Algumas passam por dores decorrentes do parto. Sejam os pontos da cesária ou a episiotomia, por exemplo.

Saiba que a episiotomia é um pequeno corte feito no períneo, região muscular entre o ânus e a entrada da vagina. Se você teve de fazê-lo terá sim de tomar cuidado no retorno à vida sexual.

Espere cicatrizar, pois antes de cicatrizar além da diminuição da lubrificação vaginal, dificulta os movimentos da musculatura vaginal.

Leia também:

Dispareunia, dor na relação sexual – Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

2. O medo de engravidar novamente é outro fator.

Muitas mulheres temem passar pelo parto e puerpério novamente. E algumas ainda relatam não querer passar pela rejeição do marido e ao marido tão cedo.

Um bom planejamento familiar pode ajudar na redução deste medo.

Especialista explica a importância do Planejamento familiar

3. Medo do bebê acordar

A rotina da casa mudou. O ambiente que antes era do casal apenas (no caso do primeiro filho) ou um ambiente que já estava equilibrado com o número de pessoas da família mudou.

No primeiro momento é sim necessária dedicação e atenção ao bebê. Por isso algumas mulheres não se envolvem sexualmente com seus maridos.

Elas precisam aprender a equilibrar o papel de mãe com o papel de esposa e amante. Neste caso é fundamental a parceria com o marido.

Meu marido não entende!

Uma das principais queixas das mulheres é sim o marido. A de que ele não entende ou não ajuda.

Vamos a alguns pontos:

1º. Marido não tem de ajudar, ele tem de participar, pois é o pai. E qual seria a participação neste primeiro momento, já que ele não pariu e nem amamenta? Facilitar a vida desta mulher puérpera.

Video: Pai que Ajuda (qual o papel do pai hoje?)

2ª. O marido não precisa mais de sexo que você porque ele é homem. Isto é um mito. Homens e mulheres precisam e gostam de sexo de acordo com a educação sexual que receberam e o desejo que mantém.

Não é biológico. Não é questão de gênero. Respeito e comunicação são fundamentais em qualquer relação.

3º. Marido, você quer sexo? Ou mais sexo? Reconquiste a sua mulher. Ela foi lá no limbo para poder realizar um projeto de vocês, formar uma família, então ajude ela a retomar o papel de mulher, de retomar a vida sexual.

Como?

Seja atencioso e agradável fora da cama, pergunte o que ela precisa naquele dia (sim, cada dia é um dia após a maternidade) e a seduza.

Ter pressa e não a estimular de forma adequada tornará mais difícil o retorno sexual de vocês.

Sugestão de ebook (livro digital):

Ebook Como provocar Orgasmos Femininos
Guia Digital (100% online)

Por fim, deixo aqui uma sugestão de como vocês se reaproximarem!

Se você perdeu a intimidade e não sabe como se reaproximar do seu marido ou da sua esposa, aproveite as datas comemorativas.

Sim, uma boa desculpa para um recomeço.

Além das datas do casal, como aniversário e casamento, vocês podem aproveitar ainda o Dia do Beijo (13 de abril), do Sexo (6 de setembro), do Orgasmo (31 de julho), por exemplo.

Marque um encontro, como no namoro. Arrume-se! Perfume-se! Seduza!

Avalie esse post

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas(12 avaliações, média: 5,00 de 5)
Loading...
Show Full Content

Sobre o Autor Ver Posts

Carolina Freitas
Carolina Freitas

Psicóloga, CRP 09/8329 (Inscrição anterior CRP 01 de 13/03/1998 a 05/12/2012). Psicopedagoga, Sexóloga, Mestre em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília, Especialista em Educação Sexual. Terapeuta Sexual pelo Centro de Sexologia de Brasília CESEX, Delegada Estadual - Goiás biênio 2018/2019 da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana SBRASH, Idealizadora e coordenadora o Programa Florescer - Gênero e Sexualidade.

Comentários

Controle sua Ejaculação

Desejo Sexual

Disfunção Erétil

Dor no Sexo

Libere Seu Poder

Orgasmo Feminino

Temas Gerais

Close

PRÓXIMO POST

Fechar

Posições que favorecem quem tem Pênis grande

31 de outubro de 2018
Close